Os Deliciosos Dzi Croquettes

Assisti pela segunda vez ao filme Dzi Croquettes no Belas Artes em São Paulo. Gostei muito mais do que na estréia no MIX Brasil em Brasília. Gostei do maravilhoso resgate. É um filme que faz jus a uma constelação de talentos. Um arco-íris de beldades deliciosas. O filme nos situa do legado que a cultura brasileira recebeu desses atores e bailarinos incríveis.

 

Conheci Lennie Dale num verão dos anos 80 na paia de Ipanema no Rio de Janeiro. Era fim de tarde. De onde estávamos contemplávamos aquela paisagem exuberante e nos reconfortávamos com a brisa amena. Não sei como fui parar naquele lugar ao lado daquele homem de tanga minúscula em cima de uma canga imensa que nos abrigava e nos deixava muito à vontade. De rosto enrugado e com corpo rijo e atlético falava com meu amigo Cláudio Cavendish sobre seu trabalho com Elis Regina.

Naquela tarde especial, além de Cláudio estavam na esteira Marcelo e Ney, dois amigos muito jovens, lindos e muito apaixonados que se agarravam o tempo todo e chamavam à atenção de todos nós. Lembro que Lennie comentou comigo que aquela bela imagem dos amantes se beijando era algo raro na idade avançada em que ele estava. Perguntei para ele porque ele achava isso. Ele disse, lamentando, que aquela intensidade vai se perdendo com o passar do tempo, que não encontrava mais aquele ardor de sentimento entre pessoas de mais idade. Lembro que fiquei um pouco triste sentindo um tom de melancolia em suas palavras.

 Eu tinha vinte e pouquíssimos anos e tudo se mostrava exuberante para mim no Rio, me senti muito bem ali, mais exatamente me senti acolhido nas minhas inquietações e dividi com aquele senhor uma enorme identificação. Ele admirava como eu aqueles dois, nos deliciamos com a doçura daquele amor se manifestando ali na areia em nossa frente. Simples e belo de causar constrangimento aos que passavam. Fiquei durante muito tempo ali na imensa canga oriental, vendo aquele senhor fumando aquele cigarro colorido sustentado por uma araminho super chique. Mais tarde recolheu a tanga, despediu-se e entrou na cidade.

Quando vi o filme me lembrei desse episódio e me vi enredado de muitas sensações. Para mim ficou evidente a generosidade daquele momento e principalmente daqueles artistas visionários e libertários.

Esta entrada foi publicada em Artes Cênicas, Música e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s