Viração de dois grandes atores

Assisti a terceira montagem do espetáculo “Viração” da Companhia Italiana de Teatro Ladrão que aconteceu no SESI em Taguatinga-DF. A peça conta com o talento dos atores Márcio Menezes e Rômulo Augusto que assinam também o texto. Gostei de rever, gostei de ver as mudanças e o rumo que o trabalho está tomando. Assisti a primeira montagem no Teatro Mosaico e na época fiquei super entusiasmado, pois a peça tinha um tom crítico inteligente que abordava assuntos muito atuais como: a mídia, as celebridades, a política e outros temas da nossa vida contemporânea. Agora a dupla se mostra mais segura em cena, mais à vontade para o improviso, mais experiente. Fico pensando  nessa turma que tanto me tocou nesses últimos anos desde a “Casa de Bonecas servida por Homens”-(2006) percebo que houve sim amadurecimento, os caras estão mais vividos, mais experientes, mais velhos, e foi essa constatação que mais me agradou. Eles hoje não têm pudor de se mostrar, corpos de 40 anos, não malhados avacalhando a malhação. Falam do que incomoda, purgam a vida, as mazelas irritantes que o dia-a-dia nos impõe. O deboche impera. Nesta versão o sexo ganha mais espaço, a razão e a crítica cedem lugar para o desvario. Tudo bem, não me incomodei.  Antes eu tinha um olhar mais cabeça para a proposta, mas as soluções dessa nova montagem compensam a pseudo-loucura pois tudo que é dito tem sentido, tem razão, tem revolta e uma consciência que há muito tempo não vejo no teatro.

Entretanto o que mais me agradou mesmo foi o dinamismo cênico da dupla. É muito legal quando dois atores se completam em cena. E esse fenômeno é claro quando falamos de Márcio e Rômulo. Cada qual com seu estilo nos tocam e nos levam para onde querem. De nossa parte, nos identificamos, temos medo, rimos e nos surpreendemos com as peripécias e ousadias da dupla. Duo que revela a mesma fonte, a mesma formação. Esses dois são famosos juntos desde os tempos da Faculdade de Artes da UnB. Desde então com esse legado nos brindam com a maturidade de pensamento. Pensamento artístico que querem negar, talento que parece que não reconhecem em si próprios. Quem dera um dia a cultura brasileira pudesse dispor de recursos orçamentários para termos esses caras talentosos fazendo somente teatro. Quem dera, nós brasilienses, pudéssemos ter o prazer de contar com trabalhos mais freqüentes desses meninos geniais. Quem dera.

Queridos Márcio e Rômulo,

Em homenagem a vocês publico abaixo texto sobre a primeira versão de “Casa de Bonecas” encenada na Cooperativa em 2006:

Teatro ou Discussão

A peça “Casa de Bonecas servida por homens”, em cartaz em Brasília, configura um convite para papo bem descontraído sobre o tema da masculinidade, instigando o público por meio da discussão sobre o “ser masculino”. Entretanto esta discussão não tem o caráter restrito e determinado de modo a esgotar o tema, muito menos a ambição de encontrar respostas ou marcar posição sobre a questão “ser homem”. A peça, antes de tudo, é uma obra de arte cênica que conta com recursos originais, fruto da criação coletiva de um grupo de homens. Encenada em um bar a peça incentiva a participação do público que aceita o convite para beber e conversar. De estrutura simples e contagiante, a ação se desenvolve com uma sucessão de monólogos que lançam luz a fatos e relatos marcantes na vida dos personagens. Assim, vão surgindo histórias, reminiscências do tempo de menino, desafios e ritos de passagem, tal como abordado no livro “João de Ferro” de Robert Blay, mas, à medida que a encenação avança o público o público começa a se embriagar com visões e sensações que o levam ao imaginário dos rituais dionisíacos. A integração das narrativas por meio da excelente atuação dos atores deixa o clima com uma atmosfera excitante e reflexiva. Excitante, pois todos são tomados pela identificação do que é apresentado, e o relaxamento promovido etilicamente permite a reflexão. Como por encanto, é possível imaginar faunos e sátiros em cena, bacantes na platéia seduzem e reagem às provocações. A cada momento um ator saca seu texto com a expectativa da mimesis, da imitação da divindade, que naquele ambiente dionisíaco somente poderia ser a do deus Baco. Por essas características, “A Casa das Bonecas servida por homens” surge como uma obra ancorada na origem do teatro, remete-nos ao cortejo e festas em adoração a Dionísio, as bacanais, que na tentativa da imitação dos Deuses davam voz individual e transcendente aos meros mortais. Obra cênica de verve original e formato contemporâneo, que ousa o mote da discussão como isca e se mostra como inusitado exemplar do teatro brasiliense de excelente qualidade, fato que hoje tem se tornado tão raro em Brasília.

Grande abraço,

Do amigo

Adauto

Esta entrada foi publicada em Artes Cênicas e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s