INHOTIM

A sensação é de encantamento. O ambiente paradisíaco. Três dias em Inhotim são suficientes para mudarmos nossa forma de percepção das artes plásticas e de nosso Brasil.

O misto de jardim botânico e galeria de arte contemporânea dotam o parque de originalidade que dispensa comentários, só vendo. Em um lugar como Inhotim tive o raro privilégio de assistir a uma única apresentação do Teat(r)o Oficina em sua versão Macumba Antropófaga no Magic  Square do Manifesto Antropófago de Oswald de Andrade.

A tarde de 11 de outubro de 2010 ficará em minha lembrança como uma vivência exemplar da contemplação das artes moderna e contemporânea brasileiras.

É impossível esquecer Zé Celso Martinez Correa no centro da ação cênica ambientada em uma monumental obra de Hélio Oiticica. Sutis e intrigantes as sensações causadas nas diversas galerias do parque se destacam as galerias: Cildo Meireles, Adriana Varejão, cosmococa, Mata e Valeska Soares. Tudo isso sem falar nas obras exposta a céu aberto assinadas por grandes nomes tais como: Edgard de Souza, Tunga, Amilcar de Castro, Yayoi Kasuma e Chris Burden.

Hóspedes de uma casa de campo da peculiar Brumadinho. Testemunha de momentos felizes, destes que merecem ser divididos por amores e amigos. Que nos instigam a criar e a voltar sempre.

Para saber mais visite o site http://teatroficina.uol.com.br/

Esta entrada foi publicada em Artes Cênicas e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s